FERREIRA DO ZÊZERE – Câmara instalou uma nova ponte no Açude do...

FERREIRA DO ZÊZERE – Câmara instalou uma nova ponte no Açude do Pego

dav

O Município de Ferreira do Zêzere instalou uma nova ponte pedonal do Açude do Pego e informa que está prevista também a instalação junto a esse espaço de mesas e bancos de estilo rústico, suportes para bicicletas, entre outro mobiliário, de forma a complementar a área de descanso dos caminhos de Santiago, no novo troço marcado, que passa via Areias, como alternativa à subida da “Serra da Espanha/Portela de Vila Verde”. Refere o município “É objetivo valorizar este património (Açude do Pego), torna-lo num local mais aprazível e com melhores condições para usufruto e lazer, inserido no novo trilho dos caminhos de Santiago, que contempla também a passagem pelas sepulturas visigóticas de Pias, agora identificadas e valorizadas fruto de candidatura do Município e Comunidade Intermunicipal Médio Tejo. Estes trabalhos estão a ser realizados em estreita colaboração entre o Município e a União de Freguesias de Areias e Pias e pretendem vir ao encontro do interesse da população local, turistas e peregrinos”. Junto a este açude templário do Pego, existe a única azenha privada de moagem de milho e trigo devidamente recuperada e é a única em funcionamento das cerca de uma dezena que esta linha de água – Ribeira de Pias/ Ribeira de Ceras tinha entre a Lameirinha a montante do Pego e a jusante, quer nesta União de Freguesias e que antigamente era freguesia de Areias, quer na área da freguesia de Alviobeira e depois Chãos e Póvoa/Além da Ribeira. Nesta zona do Pego, no mesmo local estava uma ponte de madeira que com os anos se deteriorou, tendo a resposta da recolocação desta nova ponte por parte do Município sido uma rápida reposição e construção. Neste espelho de água natural, após a queda da cascata do Açude, quem tema Cruz de Cristo em pedra talhada, quer os ranchos folclóricos da Vila de Rancho F. de Pias, quer o Rancho Folclórico e Etnografia de Alviobeira tem feito recriações históricas de danças e costumes, como lavar da roupa na ribeira, ou nos terrenos confinantes, depois de autorizados pelos donos, realizando lanches e piqueniques. Ao longo desta ribeira que nasce na Ponte Tabuado e desagua na margem esquerda do Nabão no Prado, numa extensão de cerca de 15 Km, os açudes de represa de água para rega, através de uma vasta rede de levadas, e alimentar em as rodas das azenhas, há cerca 13 açudes e o mais recente o da Laranjeira, é o que apresenta o maior paredão de betão armado e duas condutas de descarga, enquanto os outros são de construção muito antiga, e em pedra. António Freitas