ECONOMIA – Plano Extraordinário devolve Cinema ao Ar Livre ao concelho

ECONOMIA – Plano Extraordinário devolve Cinema ao Ar Livre ao concelho

Se o cinema tem tido voz na cidade de Tomar ao longo dos últimos anos, o mérito é do Plano Extraordinário, que é habitualmente reconhecido como Cineclube de Tomar. Esta associação sem fins lucrativos tem feito da divulgação do cinema o seu baluarte e retoma a sua atividade após alguns meses de interregno. Às quartas-feiras, como já nos habituaram, o Cineclube de Tomar em parceria com o Município de Tomar projetam cinema ao ar livre na Piscina Municipal Vasco Jacob, ao lado do parque de campismo. Tal como o dia, também o horário é fixo e as sessões têm o seu início às 21h30.

O cinema ao ar livre em Tomar surge como resposta à perda do hábito de ir ao cinema, que não é alheio à ascensão das plataformas de streaming e da liberalização dos conteúdos artísticos no espaço online. A partir do momento em que o Spotify tornou a música acessível a todos, a compra de CD esfriou ao ponto de o mercado digital ultrapassar o físico, conforme comentado em https://www.casinos.pt/bonus/free-spins/. Estas vantagens influenciam muito a migração do offline para o online e este fenómeno é também comum ao cinema, onde a Netflix oferece muitos benefícios iniciais e, assim, prende os cinéfilos ao sofá.
As chamadas sessões especiais, como são simbolicamente denominadas pelo Plano Extraordinário, retomam com “A incrível história da Pera Gigante”, um filme de animação dinamarquês para toda a família. Contudo, o prato forte do regresso do cinema ao ar livre é “Alice e o Presidente”, uma comédia francesa de 2019. O filme traz rostos bem conhecidos nos principais papéis, como o hilariante Fabrice Luchini e a carismática Anaïs Demoustier, e conta a história de um político de Lyon que atravessa uma crise existencial e encontra refúgio em longas conversas com uma jovem e brilhante filósofa. Estreado há menos de um ano em Portugal, o filme teve direito a uma apresentação do próprio realizador, Nicolas Pariser, na Festa do Cinema Francês, que se realizou em oito cidades portuguesas.

O filme que fecha o mês de Julho é “Wild Rose”, uma produção que se enquadra na narrativa de inadaptação do estilo britânico e que conta a história de uma mãe solteira acabada de sair da prisão e que sonha ser cantora de música country no Tennessee. Trata-se claramente de um filme de nicho, que demonstra a capacidade incrível de Tom Harper para arquitetar histórias truculentas e apresenta Jessie Buckley como uma atriz de grandes recursos. O filme é exibido no dia 29 de Julho, pelas 21h30. Os bilhetes têm o custo unitário de 2€, sendo que os sócios do Cineclube de Tomar pagam apenas metade. A lotação máxima é de 50 lugares sentados, que estarão separados por uma distância mínima de um metro e meio. Quando comparado com outros, Portugal não é um país com grande tradição no que toca ao cinema ao ar livre e, até por isso, esta é uma ótima oportunidade de assistir a belíssimos filmes e ainda apoiar uma iniciativa que promove o cinema no concelho de Tomar.